01/04/2008

INICIA O CURSO DE PÓS EM EDUCAÇÃO POULAR!!!

O curso de pós graduação em Educação Popular terá início no próximo sábado dia 05 de abril.
Assim como as outras conquistas, este curso é o resultado do trabalho integrado de muitas pessoas e instituições.
O curso é oferecido pelo Instituto de desenvolvimento Social Brava gente em parceria com o Instituto Superior de Educação Ivoti. As atividades acadêmicas serão desenvolvidas na sede da Associação dos Trabalhadores em Educação no Município- ATEMPA e os/as sócios/as da AEPPA têm bolsa de 50%.
Desde já, convidamos a todos/as para a Aula Magna que será realizada no dia 12 de Abril no Plenário Ana Terra na Câmara de Vereadores, às 9 horas. Nesta ocasião o trabalho dos educadores populares poderá ser conhecido na Exposição e trabalhos e fotos
Conheça melhor a proposta do curso no site: www.bravagente.org.br

3 comentários:

maria leonicedede deus da silva disse...

cada dia que passa agradeço imensamente a deus pelas pessoas maravilhosas que forma colocadas na caminhada da AEPPA.
Benditos sejam todos aqueles que conseguem ver que uma história de exclusão só se combate com a educação e aoferta de oportunidades
Leonice de Deus

maria leonicedede deus da silva disse...

Adri doce,este espaço tambem é teu querida ... aliás tu foet uma das mentoras do mesmo e responsavel por sua execução ! Vem saborar conosco os frutos que estamos colhendo daquela semente que ajudastes a plantar em dois mil e seis.Estamos sentindo tua ausencia ,Vem !!!pois o pos precisa muito da tua contribuição...

EDUCAÇÃO POPULAR - UM SONHO POSSÍVEL disse...

Pós Graduação em Educação Popular: Gestão em Movimentos Sociais é sonho coletivo realizado: Aula inaugural entra para história da educação no Brasil

Aos doze dias do mês de abril de dois mil e oito, às nove horas e trinta minutos realizou-se no Plenário, Ana Terra, da Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre, sito à Rua Loureiro da Silva, número 255, a primeira aula Inaugural do curso de Pós-Graduação em Educação Popular: Gestão em Movimentos Sociais. Foi neste dia que mais uma página da história da educação brasileira foi escrita, mas desta vez, está história teve como protagonistas, escritores/as criativos/as e ousados/as ,bem como pesquisadores/as que buscaram pela sua própria formação de forma reflexiva, crítica e ética sendo estes/as, agentes transformadores/as da realidade educacional.
Foi também, nesta manhã, linda e calorosa que a AEPPA ( Associação de Educadores Populares de Porto Alegre) juntamente com o Instituto de desenvolvimento Social BRAVA GENTE deixaram suas marcas não só em Porto Alegre, mas no Brasil, possibilitando a educação continuada às educadoras/es populares que sonham por um mundo mais humano, feliz e ético.Todavia, ter vivido este momento com os nossos parceiros/as foi um prazer, onde lágrimas de felicidade, de realização e de ver e sentir concretamente a possibilidade da realização dos sonhos que nos pareciam impossíveis e que hoje através da luta participativa tornou-se projeto concretizado, ou seja, sonho possível, é conquista de quem faz a educação popular para a emancipação, tornando este momento muito especial para todos/as os/as presentes nesta aula Inaugural.
Para entender o que foi este doze de abril bastava olhar para cada rosto sorrindo ou chorando, cada gesto e cada momento que se ouvia o Brava Gente, a AEPPA, a ATEMPA, o ISEI (Instituto Superior de Educação Ivoti) se pronunciando e nos possibilitando momentos de novas relações e de produções de conhecimentos humanizadores. Quando eu leio o objetivo do curso , percebo-o em cada pessoa que pensou o curso, o que dizia Freire referente a estas iniciativas que segundo ele, estas iniciativas são convites de mudança, onde exige de cada um de nós comprometimento, ética e também a estética, como ações politizadadoras e por isto consciente com as nossas tomadas de decisões. Assim, tudo isto se vê em cada encontro seja na AEPPA, seja com os/as parceiros/as, porque a educação popular exige amor, humildade, trocas, curiosidade, reinvenção, movimento, participação, ousadia, pesquisa, coragem, diálogo e de pessoas BRAVA GENTE, que sonhe junto e faça deste sonho uma história inacabada e de fato, transformadora.
Desta forma, os nossos trabalhos, dias e noites acordadas/os nos projetando para esta realização, foram à prova da nossa capacidade coletiva de criatividade e desafios que tem nos garantido uma educação Popular autônoma, ou na busca de. Neste percurso quem ganha é a educação Porto-alegrense, porque somos nós que discutimos e lutamos contra os mecanismos desta sociedade capitalista e excludente, fazendo valer o sonho participativo de organizações populares que buscam por uma educação para transformação. Aí se firmam mais uma ação de protagonismo social, onde educadoras/es progressistas não apenas lêem a realidade da educação, mas também passeiam por ela , se apropriam e buscam estratégias participativas para compreende - lá e transformá-la.
É assim, que o convênio com as parceiras/os, mais do que isto, amigas/os, o Instituto Brava Gente demonstra que existe no Brasil pessoas que buscam por um modelo de sociedade mais justo, alegre, solidário e digno, onde o amor e o conhecer pelo diálogo entra em sintonia com todas/os educadores/as que sonham o mesmo sonho e que por isto se somam na busca da realização de mais um sonho: quem vem sonhar conosco? Onde encontrar novos sonhadores?
É nestas construções encontramos Bravas Gentes que enxergam e percebem a educação popular de forma legitima de construção de uma nova educação pública e popular, onde as pessoas sejam de fato cidadãos/as livres e conhecedores não só de seus direito, mas também de seus deveres como responsabilidade planetária.
Deste modo, este grande curso vem possibilitar a nossa formação profissional enquanto sonhadoras/es por uma educação voltada para humanização e para uma educação social e popular tornando-se esta, uma ferramenta de trabalho, para que cada um de nós nos mobilize em busca de novos sonhos junto as comunidades, onde educadoras/es, familiares e educandos/as se libertem juntos/as desta sociedade opressora. Sociedade está que busca desvalorizar ações humanas de mudança em função do contexto neoliberal, onde todos os valores de vida digna e solidariedade, que almejamos ter, são desconsiderados.
No dia de hoje, doze de abril, é de fato um marco histórico para Porto Alegre e para as educadoras/es Populares, em que a nossa vida tornou-se mais alegre, significativa, possível e mais justa, porque se possibilitou através do Pós- Graduação mais um desvelamento da realidade vivida, onde a chegada foi difícil, mas não impossível. Paulo Freire em 1985 já colocava que a educação libertadora, ou seja, problematizadora, não deveria ser um ato de depósito (bancaria) e sim, ser uma educação reflexiva, onde, implicasse um movimento continuo e inacabado de desvelamento da realidade. Este desvelar, só se conseguiu com a parceria do outro, com o diálogo e pela sensibilização dos sonhos. A reinvenção destes sonhos e desta educação na perspectiva da parceria democrática e solidária é parte do desvelamento que Freire nos colocava em seus livros, é por isto mesmo, a possibilidade de encontrar meios criativos e conscientes de transformar a realidade com responsabilidade.
O Brava Gente chegou com toda garra e construiu com a AEPPA laços de amizade, afetividade e “camaradagem”, em que a formação permanente tornou-se possibilidade de ir além daquilo que se tem, de fazer relações para a efetivação dos pensamentos de Paulo Freire quando dizia que mudar exige convicção de que a mudança é possível. Em outras palavras cheia de emoção e carinho pela nossa historicidade, somos vencedoras/es que lutamos contra uma sociedade que convive com interesses opostos aquilo que desejamos, mas que estamos a favor de pessoas, muitas pessoas - comunidades e, por conseqüência, contra opressores/as. Assim, estamos envolvidas em espírito coletivo de transformação desta sociedade conservadora, pois enquanto grupo que somos, acreditamos que “Sonhar não é apenas um ato político necessário ”. É também identidade “histórico-social de estar sendo mulheres e homens ”, que na participação briga pela prática libertadora de mudança, pois está prática é sonho, esperança e compreensão da história da educação popular como possibilidade comprometida com outra sociedade, que seja BRAVA GENTE, feliz, amorosa, humana e que respeite as diferenças na igualdade de direitos.
Bom, termino meu texto, no dia de hoje, doze de abril, com esperança e dizendo que é tudo isto, mais um pouco que se deseja para a educação popular brasileira, onde ser BRAVA GENTE é ter como cotidianidade das nossas ações teóricas e práticas a busca constante por novas relações, de cooperação, de superação, de conhecer e acima de tudo de dialogar, escutar e ousar sempre sem medo de lutar pela justiça social, promovendo a troca de conhecimentos, a pesquisa e as relações afetivas de quem acreditam que:
“... educar e educar-se, na prática da liberdade, é tarefa daqueles que sabem que pouco sabem – por isto sabem que sabem algo e podem assim chegar a saber mais – em diálogo com aqueles que, quase sempre, pensam que nada sabem, para que estes, transformando seu pensar que nada em saber, que pouco sabem, possam igualmente saber mais. (Freire)
Fernanda dos Santos Paulo


REFERÊNCIA:
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970.
_____________.Educação e mudança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979.
_____________.Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 19 ed., 1989.
______________.Pedagogia da esperança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1992.
______________.Política e educação. São Paulo: Cortez Editora, 1993.
______________.Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.
http://www.bravagente.org.br/apresentacao.html em 12/04/2008.